© 2018 nómada_art&publicspace . webdesign by ppocao

  • Facebook - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Criação, Programação Cultural, Formação, Consultadoria.
Creative Projects, Cultural Programming, Arts Training, Consultancy.

A Nómada Art & Public Space é uma plataforma que cruza artistas, coletivos, programadores, curadores, críticos, públicos, estruturas diversas, investigadores e estudantes de diferentes áreas com interesse na confluência arte e espaço público.

Na sua essência promove a criação, a programação cultural e a formação, com orientação especial para a arte pública e espaços não convencionais.

Em setembro de 2016 estreia a sua primeira criação com SOLANGE_Uma Conversa de Cabeleireiro e, nesse mesmo ano, é contemplada com o Prémio de Circulação da Fundação GDA estado presente em diversas cidades portuguesas, em Macau e no Brasil no ano de 2017.

 

Tem prevista a estreia do seu novo espetáculo para Setembro de 2018.

Promoveu já duas edições da Mostra Nova Criação Portuguesa (2016 e 2017) nas cidades de Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro.

Desde a sua criação dá apoio à produção das Quintas Nómadas no MIRA Artes Performativas, no Porto, e promove o intercâmbio entre artistas brasileiros e portugueses.

HUGO CRUZ

Cofundador e Diretor Artístico da PELE_Espaço de Contacto Social e Cultural e da Nómada Art & Public Space.
Foi Diretor Artístico do Imaginarius - Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira. Consultor Artístico no âmbito da programação de rua do Festival de Almada.
Investigador no Instituto de Estudos de Literatura Tradicional – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa. Avaliador no âmbito do Programa Cidadania Ativa (EEA Grantes / Fundação Calouste Gulbenkian). Professor no âmbito da Pós-Graduação “Teatro e Comunidade” na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo - Instituto Politécnico do Porto. Pós-graduado em Teatro Social e Intervenção Socioeducativa na Universidade Ramon Llull, Barcelona. Frequentou cursos e realizou estágio no Instituto Gestalt de Barcelona e no Centro de Teatro do Oprimido do Rio de Janeiro. Teve formação com Carlo Bosso, Edith Sacher, Augusto Boal, Ademar Bianchi, Ingrid Koudela, Julian Boal, Koldobika Vio, Companhia Colombaioni, Ganguly Sanjoy Roberto Mazzini, Georges La Ferrière, Bárbara Santos, Marc Klein entre outros. Assumiu a Direção Artística, entre outros, dos seguintes projetos: “Retratos de Família”; “Meto a Colher”; “Texturas”; “Entrado”; “Inesquecível Emília”; “Peregrinações”; “Terra”; MAPA_o jogo da cartografia. Leciona com frequência em pós-graduações e mestrados como convidado em diversas instituições nacionais e estrangeiras (exs. Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, Instituto Superior da Maia, Faculdade Sociologia da Universidade do Porto, Faculdade de Ciências da Educação da Universidade de Santiago Compostela, Universidade Pablo Olviedo-Sevilha, SP Escola de Teatro, entre outras).
Diretor para as Artes Performativas no Mira Fórum (Porto).

Doutorando no âmbito do tema “Práticas Artísticas e Participação Cívica e Política”.

RODRIGO MALVAR

É performer e artista sonoro membro fundador do Teatro do Frio e do colectivo mad4ideas.
Destaca os espetáculos concebidos para Espaço Público KA e COMPOSIÇÃO PARA 128 FO!GOS inserido no Programa de Artes Performativas de Serralves. Na sua pesquisa da a relação entre som/palavra e espaço/intérprete dirigiu recentemente os drama sonoros ECO, CONCERTO PARA ESTRELAS aka SOUND SPACE SHELTER e OCO.
É artista associado da companhia de teatro físico sediada em Glasgow, Company of Wolves.
Trabalha regularmente com o Museu do Douro onde sonicamente percebe a relação corpo-som-paisagem-ficção.
É docente convidado na ESMAE.

CARINA MOUTINHO

Especialização em Gestão Cultural pelo Sesc-São Paulo e licenciada em Gestão do Patrimônio pela Escola Superior de Educação do Porto. Produtora desde 2006. Até 2012 trabalhou na companhia Teatro Art’Imagem do Porto, onde nos últimos dois anos, foi diretora de produção de Fazer a Festa – Festival Internacional de Teatro, Primavera do Teatro, Programação Regular de Teatro no Auditório da Quinta da Caverneira, MAD’12 e dos  espetáculos da companhia No Brasil de 2013 até 2016 foi produtora da Cia de Teatro Os Satyros onde trabalhou nos espetáculos e nos festivais “Satyrianas –Uma Saudação à Primavera” e “Vigília da Liberdade” como produtora executiva. No Satyros foi também Coordenadora dos Espaços Satyros Um e Estação Satyros coordenando as equipes técnicas e de limpeza e a pauta de ambos os espaços.
Participou também como assistente de produção no filme “A Filosofia na Alcova” do Satyros cinema e no Video-Clip “Fiu-Fiu” da Cuca da Onça, produtora independente de São Paulo.
De regresso a Portugal integra a equipe da PELE Espaço de contato Social e Cultural onde em 2017 foi diretora de produção do MEXE_IV Encontro Internacional de Arte e Comunidade

É elemento co-fundadora e produtora da Nómada Art & Public Space.

SUSANA MADEIRA

Licenciou-se em Estudos Teatrais na ESMAE em 2006, desde então trabalhou como atriz em projetos de Diogo Dória, Nuno Preto, Inês Vicente, Rosário Costa, Miguel Seabra, Natália Luíza, Catarina Lacerda, Patrick Murys, Gonçalo Amorim, Rui M. Silva, José Carretas, Madalena Vitorino e Hugo Cruz;

Fez assistência de encenação a Miguel Seabra, Natália Luíza, Hugo Cruz e Rodrigo Malvar;

Na televisão participou na série “Dentro” do realizador Henrique Oliveira; colabora com a Associação PELE em vários projetos, sendo o último de Teatro Comunitário com direção de Hugo Cruz; é membro do NTO – Porto,
colaborando em diversos projetos de Teatro-fórum; dá formação de Expressão Dramática a diferentes grupos; o último projecto em que trabalhou como actriz e partilhou a encenação com Hugo Cruz, foi “Solange – Uma Conversa de cabeleireiro”, com produção da NÓMADA Art & Public Space.

PATRÍCIA POÇÃO

Iniciou a sua actividade na área do Audiovisual em 1993, na Duvideo Profissionais de Imagem, Lda ., adquirindo conhecimentos e experiência profissional como editora de vídeo analógico e digital e operadora de câmara /  realização. Foi responsável pela edição / pós-produção vídeo de vários programas de entretenimento para televisão, até 1999. Em 1999, iniciou a sua actividade em fotografia de cena, participando em diversos projectos nas áreas de cinema, teatro e televisão, em regime de freelancer. Destaca a sua colaboração com a NBP Audiovisual, Fealmar, Multicena, Teresa Guilherme Produções, SP Televisão, Hora Mágica, Filmes do Tejo , entre outros. Desde aí, colaborou com o Teatro Meridional , como responsável de imagem, no registo vídeo e fotográfico, bem como na realização e edição de diversos documentários sobre processos de construção de espectáculos, Foi responsável pelo design gráfico do livro “Fazer de Novo – Bastidores do nascimento da SP Televisão e o do seu primeiro título Vila Faia” , publicado pela SP Televisão. Foi responsavelpela criação e manutenção devários websites, destacando o Teatro Meridional, Teatro Maria Matos, Teatro da Malaposta, Municipália, Filmideia, Kailash-art for energy, Nómada art & public Space, entre outros. Colaborou com o Teatro Nacional D. Maria II , no registo vídeo de vários espectáculos e na realização de vídeos para a Instituição. Colabora com a Associação PELE _espaço de contacto social e cultural, num percurso que conta com 3 documentários já editados sobre processos de construção de espectáculos de teatro comunitário, Fez o registo vídeo e fotográfico do MEXE Encontro Internacional de Arte e Comunidade , organizado pela PELE, no Porto. Em colaboração com a FCEUP - Faculdade de Ciências de Educação da Universidade do Porto, fez a edição e pós produção de um documentário inserido no projecto europeu CATCH - EyoU - WP6 , sobre a relação de cidadania dos jovens e escolas com a europa. Colabora com a APC - Associação Portuguesa de Cristaloterapia , na edição gráfica da APC MAGAZINE e paginação de vários manuais de formação e livros dedicados ao tema da Cristaloterapia.

REGINA GUIMARÃES

Nasceu no Porto, em 1957. A par dos seus poemas, publicados em raras edições de natureza quase confidencial, tem desenvolvido trabalho nas áreas do Teatro, da Tradução, da Canção, da Dramaturgia, da Educação pela Arte, da Crítica, do Vídeo, do Argumento, da Produção. Foi docente da FLUP, na ESMAE e na ESAD. Foi diretora da revista de cinema A Grande Ilusão. Membro fundador da Associação Os Filhos de Lumière, foi programadora do ciclo permanente O Sabor do Cinema no Museu de Serralves; integra atualmente a equipa de programação do Nove e Meia, cineclube nómada. Integrou o coletivo que, a par de outras atividades de reflexão e criação, publicou o jornal PREC. É cofundadora do Centro Mário Dionísio - Casa da Achada. Com Ana Deus, desenvolveu o projeto musical
Três Tristes Tigres, entre outras aventuras. Realizou inúmeras experiências em torno da palavra dita e cantada. Organiza desde 2007 a Leitura Furiosa Porto. Tem orientado oficinas de escrita e de iniciação ao cinema nos mais variados contextos. Aspira a estar em todo o lugar onde haja uma luta justa a travar. Vive e trabalha com Saguenail desde 1975. Hélastre é o signo da sua obra comum, agora inteiramente disponível online (que pode ser
visitada em helastre.wordpress.com).

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now